Negócios marítimos e gestão portuária Marítimo, Modais

gestao-portuaria

Inicio minha contribuição ao Portal Logístico, trazendo ao debate a temática marítima e portuária nas vertentes dos negócios marítimos e da gestão portuária, às quais venho me dedicando nos últimos anos. No Brasil, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) 2013, em 2012, na exportação, o transporte marítimo de mercadorias correspondeu a 96,1% em volume e 83,5% em valor (US$ FOB); nas importações, a 89,4% das exportações em volume e 75,4% em valor, evidenciando a importância do modal para a economia brasileira.

No entanto, de forma diferenciada a outros países, principalmente da União Europeia, essa importância não se reflete na área acadêmica brasileira como o tema sendo abordado de forma distribuída em especialidades e configurações. Entre as especialidades se destaca a Engenharia Naval e Oceânica, dedicada principalmente às questões técnicas da navegação e da infraestrutura portuária e entre as configurações, cursos de graduação tecnólogos em gestão portuária e de pós-graduação latu senso em universidades públicas e privadas.

Essa condição pode ser justificada, pois a temática marítima e portuária é multidisciplinar por excelência, abrangendo diversas áreas da ciência, economia, administração, direito e engenharias, na relação com o comércio entre nações e um conjunto de atividades que vão desde acordos comerciais e estratégias de internacionalização das empresas à busca da otimização de projetos e processos para melhoria das condições de acessibilidade e mobilidade de pessoas e mercadorias.

Na expansão e intensidade do comércio internacional se apresentaram novos paradigmas tecnológicos, o da conteinerização e o da automação dos procedimentos de carga e descarga dos navios, que, por um lado, reduziram significativamente custos e tempos logísticos, e por outro eliminaram postos de trabalho, exigindo mão-de-obra com capacitação diferenciada e especializada e novas condições de empregabilidade.

Numa abordagem macroeconômica e internacional, a globalização dos mercados na intensificação e a diversificação das trocas comerciais têm se refletido no desenvolvimento dos agentes e no intercâmbio marítimo de mercadorias num processo sem paralelo na história recente da humanidade.

Assim sendo, quais seriam as áreas de conhecimento abrangidas na temática marítima e portuária? Ora, independente do ângulo de abordagem seu caráter multidisciplinar é determinante. Do ponto de vista das ciências econômicas, pode se subordinar à economia dos transportes, abarcando a economia marítima e portuária, ou seja, o estudo e pesquisa da demanda e oferta de serviços de transporte de forma sistêmica, num ponto de vista macro e nas relações entre os agentes intervenientes, no ponto de vista micro.

No direito, têm-se as questões do direito marítimo, do internacional, do comercial, ao abordar as relações econômicas e sociais da atividade e nas relações comerciais internacionais, o direito aduaneiro. As engenharias se apresentam tanto no desenvolvimento e implantação de projetos de engenharia naval e portuária, como na viabilização e otimização de processos e sistemas.

Na área da gestão, as funções básicas se apresentam com a tecnologia de informações num contexto de competição e de prestação de serviços logísticos integrados. Da mesma forma, as ciências da saúde, desde o controle fitossanitário de produtos, ao de doenças ou contaminação por agentes externos, até as condições de segurança e trabalho das pessoas, embarcadas ou em terra. Como se sabe, essas condições são bastante severas e podem se refletir tanto física, como mentalmente, pelas exigências de desempenho.

O novo paradigma operacional do setor se refletiu em novas formas de trabalho e de relação entre trabalhadores e empregadores, as quais se induzem à necessidade de equacionamento das condições de desenvolvimento social, econômico e urbano das cidades portuárias. Do ponto de vista urbano, as atividades portuárias impactam as cidades portuárias em diversas dimensões, pelo tráfego pesado de caminhões e trens, implantação de terminais de apoio e na valorização das áreas contíguas ou próximas à faixa marítima.

É infindável a possibilidade de estudos e projetos relacionados à temática marítima e portuária, destacando-se também as questões relativas ao Meio Ambiente, pois legal e institucionalmente, as ações e negócios marítimos e portuários têm que considerar o objetivo de desenvolvimento sustentável nas dimensões ambiental, econômica e, sobretudo, humana.

Dessa forma, pretende-se instigar pesquisadores e centros de pesquisa e profissionais da área, pois a temática está posta e aberta para todos que se proponham se dedicar para seu entendimento e reflexão para contribuir para esse desenvolvimento e, assim, buscar melhores condições de vida para a regiões portuárias e para o país como um todo.

Sobre Léo Tadeu Robles

Economista, mestre e doutor em Administração pela FEA-USP. Professor Pesquisador Associado na Universidade Federal do Maranhão - UFMA tendo como temas a Economia Marítima e Portuária e a Logística Internacional. Coordenador de cursos de pós-graduação e associado da International Association of Maritime Economist - IAME.

Negócios marítimos e gestão portuária
0 votes, 0.00 avg. rating (0% score)

Últimos Comentários

  1. Renata O de Carvalho

    Excelente publicação, parabéns pela evolução dedutiva do tema. Em poucas linhas você foi capaz de explorar uma visão macro do tema e apontar seus desdobramentos particulares de estudo. Permite um conhecimento aos interessados na área de vertentes a se profissionalizar e/ou estudar.

Comments are closed.