Milk Run Ferramentas

abastecimento-de-suprimentos

O milk run é um sistema de abastecimento de suprimentos adotado principalmente por indústrias automobilísticas nacionais. Este sistema consiste na coleta programada de peças junto aos fornecedores das montadoras, diferentemente do sistema de abastecimento denominado convencional, no qual o fornecedor entrega suas peças na planta da montadora. O milk run é uma forma de redução de estoque na cadeia de suprimentos.

O milk run adota uma concepção de trabalho com enorme ênfase na filosofia just-in-time e procura seguir alguns de seus princípios como: redução do estoque de materiais, maior frequência de abastecimento de suprimentos e maior integração entre as partes que compõem o sistema, montadora e fornecedor.

Dizemos que milk run é:

1

Figura: Ciclo da operação de milk run

Benefícios do milk run:

  • embarques programados segundo a necessidade do cliente (janelas de coleta, data, hora e quantidades);
  • reduz necessidade de espaço;
  • reduz furtos e compressão dos produtos;
  • reduz obsolescência (e problemas com prazo de validade) dos produtos;
  • estoques reduzidos devido ao fracionamento de embarques;
  • melhora nos serviços de manuseio de materiais;
  • embalagens padronizadas e reutilizáveis, com isto redução de custo;
  • agilidade no carregamento e descarregamento;
  • redução dos custos de manutenção de inventário.
  • ferramenta para o JIT e o kanban.

Desvantagens do milk run:

  • requer sincronização dos fornecedores e demanda;
  • relações imperfeitas com fornecedores;
  • perda de credibilidade nos fornecedores;
  • maior custo para a montadora, devido a frete extra cobrado que ocorre quando a montadora solicita quantidades não planejadas;
  • parada da produção por conta da falta de material;
  • atrasos na retirada de materiais nos fornecedores.

O Milk Run é um trabalho em conjunto, cliente e fornecedor, com atividades coordenadas pela área de suprimentos. Na fase inicial, a parceria com a área de compras é o que vai garantir a negociação com o fornecedor. Na fase operacional, são as equipes de logística que vão determinar a programação do consumo, ou seja, a frequência e a quantidade de peças necessárias para suprir a linha de produção e realizar o planejamento de produção programado para um determinado período com o menor estoque possível e maior precisão das entregas.

Fonte: NOGUEIRA, Amarildo de Souza. Logística Empresarial: uma visão local com pensamento globalizado. 1 ed. São Paulo: Atlas, 2012

http://www.editoraatlas.com.br/Atlas/webapp/detalhes_produto.aspx?prd_des_ean13=9788522470792

 

Amarildo Nogueira

Sobre Amarildo Nogueira

Autor do livro Logística Empresarial: uma visão local com pensamento globalizado editora Atlas. Mestre em Gestão de Negócios pela Universidade Católica de Santos, MBA em Logística Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Business and Management International Professional pela University of California (Irvine-EUA). Possui especialização em Metodologia do Ensino Superior e Metodologia da Pesquisa pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). É Bacharel em Sistemas de Informação pelo Centro Universitário Fundação Santo André (FSA) e tem formação em Coaching Integrado Internacional pelo ICI- Integrated Coaching Institute). Pesquisador e professor em cursos de graduação e MBA nas áreas de logística, administração e gestão de pessoas.

Milk Run
1 vote, 5.00 avg. rating (89% score)

Últimos Comentários

  1. Rebeca Rebouças

    Grata surpresa encontra-lo como fonte bibliográfica da minha pesquisa. Caro amigo de Mestrado fico comovida e feliz ao ver o caminho brilhante que tens trilhado, fruto de seu esforço e perseverança..

  2. Rosangela Ribeiro

    Achei muito interessante o sistema, estamos aprendendo sobre o assunto no curso de logística.

Comments are closed.